A candidíase na gravidez é um problema recorrente em consultórios de obstetras e ginecologistas. Essa infecção oferece poucos riscos para a gestante e o bebê, no entanto, merece certos cuidados.

Toda a gestação acompanha mudanças no corpo da mãe para as novas condições de abrigar e amamentar o bebê durante seu desenvolvimento. E essas mudanças podem ser abruptas, levando a baixas na imunidade.

Por esse motivo é muito comum que as mulheres tenham infecção de fungos durante a gravidez. De forma semelhante ao que ocorre quando contraem gripes, resfriados, manifestações de bactérias e outros vírus.

‘Nesse período, a gravida tem seus níveis de progesterona e estrogênio elevados, além de maior concentração de glicogênio na secreção vaginal, acarretando vaginite por Candida em muitos casos.’

As mudanças químicas no organismo de uma gestante podem trazer outros tipos de vaginites também, sobretudo as bacterianas, apresentando sintomas que se confundem entre si.

Essas infecções requerem atenção para obter um diagnóstico médico correto. E negligenciar ele, assim como se utilizar do automedicamento, podem trazer problemas maiores para a candidíase na gestante e no bebê.

Por esses motivos, e para trazer mais esclarecimentos para as futuras mamães, criamos um artigo completo para as gravidas.

Nele apontaremos os caminhos mais adequados para tratar a candidíase na gravidez. Mas que pode ser esclarecedor para as mulheres com candidíase desejando engravidar também.

Boa leitura!

 

O Que Causa A Candidíase Na Gravidez?

tratamento para candidíase na gravidez

A candidíase na gravidez é normal para algumas mulheres, principalmente no terceiro trimestre. E para muitas delas, é a única ocasião da infecção, que pode se repetir todas as vezes que engravidam.

Mas essa não é uma norma para todas, pois apesar da mesma natureza biológica, nosso código genético nunca é igual. Dessa forma, algumas mulheres tem tolerância a fungos, enquanto outras são mais suscetivas.

Os fungos da família Candida já compõem nativamente a flora vaginal feminina. Mas a infecção por candidíase se dá pelo crescimento desordenado das colonias do fungo diante de certas condições.

Alguns fatos da candidíase vaginal são muito claros quanto as estatísticas. Elas mostram que, cerca de 70% das mulheres no mundo apresentam casos dessa infecção ao menos uma vez na vida, tornando-se mais comum nas grávidas.

Cerca de 20% das mulheres convivem com crescimento de colonias da Candida normalmente na vagina. E por causa das flutuações hormonais e tendencia genética, esse numero cresce para 30% na gravidez.

A infecção se vale dessas mudanças, sobretudo no PH vaginal (grau de acidez) que por motivações da alta de glicogênio na secreção vaginal, favorece o crescimento das leveduras do fungo nas paredes da mucosa vaginal.

O glicogênio é um polissacarídeo e funciona como uma reserva de energia para a Candida. Que junto a outras motivações químicas e hormonais no corpo da gestante, encontram boas condições para crescerem em sua forma patogênica.

Não existe qualquer evidencia de que a candidíase diminua as chances de engravidar, mas alguns riscos são notórios para a gestação e devem ser observados.

 

A Candidíase na Gravidez é Perigosa?

A gestante vive muitas vezes em estado interno de alerta e insegurança, quase que por instinto. Esse fato junto a candidíase na gravidez pode trazer efeitos psicológicos que conturbam a gestação ainda mais nesse período.

Colônias do fungo em crescimento no organismo podem possibilitar um estresse por candidíase comum. Pois as toxinas que elas liberam no sangue, inibem receptores cerebrais de receberam hormônios básicos do bem estar.

Essas são motivações psicológicas que podem fazer a gravidez se complicar e tornar o bebê prematuro. E talvez esse seja o maior risco da candidíase na gravidez.

“O risco não está no nascimento prematuro em si, mas quando ele ocorre por parto normal e em ocasião da candidíase vaginal. Momento que ocorre o contágio para o bebê, podendo trazer complicações maiores.”

O bebê recém nascido de uma mãe com candidíase pode contrair candidíase cutânea e na boca. Mas apesar dele não ter sua flora microbiana completa, o sistema imunológico do bebê consegue combater naturalmente a infecção.

Problemas com crianças prematuras podem ser mais graves, uma vez que o sistema imunológico delas é ainda muito limitado. Dessa forma, pode ocorrer uma candidemia e o fungo se espalhar para o sangue e outras áreas do corpo, o que pode afetar a respiração e batimentos cardíacos do bebê por exemplo.

Apesar desses casos de risco serem pequenos, é aconselhável a gestante estar atenta. Uma simples candidíase na vagina durante a gravidez deve ser motivo de acompanhamento por um especialista e um bom plano de ação.

 

Os Principais Sintomas Da Candidíase Na Gestação

O período de gestação é marcado por transformações do corpo que podem se confundir com a candidíase. E isso reforça a necessidade de um diagnostico médico adequado.

Mas quando são combinados os sintomas psicológicos apontados aqui junto a outros sintomas da candidíase, podem ser evidências da infecção na gestante.

Por isso a mulher deve ficar atenta principalmente aos seguintes sintomas:

  • Corrimento vaginal espesso – na gestação existe aumento no corrimento vaginal, e quando ele se apresentar grosso, esbranquiçado ou cremoso, pode ser um sinal de candidíase.
    Obs.: Não se deve confundir com o corrimento de muco hormonal da gravidez, que se apresenta transparente e com espessura do próprio liquido vaginal.
  • Coceira, vermelhidão e inchaço – a manifestação das colônias de Candida na região vaginal podem causar coceiras na vulva e canal vaginal, assim como vermelhidão, descamação, algumas feridas e inchaço.
    Obs.: É comum esses sintomas serem acompanhados com mau odor pela maior produção de esmegma. Caso o odor surja por motivos diferentes, pode ser um caso de vaginite bacteriana.
  • Dor durante sexo ou ao urinar – por causa do fungo no tecido vaginal, é comum ter dor durante o ato sexual ou ao urinar, acompanhado de ardência e queimação. Com esses sintomas a candidíase na gravidez passa para o homem.
    Obs.: Esses sintomas podem se confundir também com a cistite ou inflamações por outra infecção urinária. Por isso deve ser observado com suspeita e requerer exames mais conclusivos.

Outros sinais da gravidez podem ainda ser confundidos com uma candidíase intestinal, desencadear a vaginite e combinar outros sintomas. Por isso é comum a síndrome do intestino irritado, queimação e flatulência completando o quadro.

Esses sinais devem ser notificados para o ginecologista ou obstetra. Eles podem ser decisórios para o diagnóstico médico ou em alguns casos requerer exames mais específicos.

 

Como é Tratada A Candidíase Na Gravidez?

tratamento para candidíase na gravidez

O problema da candidíase na gestação é o mesmo em não gestantes, mas deve ser tratada de forma diferente. Pois algumas medicações podem afetar a mulher e o bebê durante a gravidez ou amamentação.

Existe uma série de medicamentos proibidos de serem utilizados por uma grávida. Alguns deles podem afetar a formação do feto, causar aborto ou trazer outros efeitos colaterais para a mãe e bebê.

A FDA – Food and Drug Administration, regulariza o uso de medicamentos na gravidez, e também é seguida pela Anvisa. Segundo ela, aqueles classificados como de risco D ou X são proibidos na gravidez, sendo aconselhados os de risco B e C.

“Quando se utiliza um fármaco durante o período da gestação, deve-se avaliar sempre o fator risco benefício para mãe e feto. O medicamento de escolha deve ser aquele que não possui efeito teratogênico ou qualquer alteração funcional. (Aline Souza Ribeiro – Cons. Federal de Farmácia)”

Por isso, na maioria das vezes o médico receitará antifúngicos de uso tópico como pomadas ou supositórios vaginais para as grávidas. Eles devem ser utilizados em dosagem segura e de forma prolongada pela sua eficiência.

Os remédios para tratar a candidíase na gravidez mais recomendados são:

Medicamento Dosagem e Uso
Clotrimazol 1% creme, 5 gramas, 1 vez por dia 7 a 14 dias.
Miconazol 2% creme, 5 gramas, 1 vez ao dia por 7 dias.
Terconazol 0.4% creme, 5 gramas, 1 vez por dia durante 7 dias.

Os antifúngicos de uso oral do tipo ‘Azol’, como Fluconazol, segundo estudos, oferecem risco de aborto espontâneo ou má formação do feto em altas dosagens (≥400 mg/d), por isso devem ser evitados.

Pomadas para candidíase na gravidez são os tratamentos mais comuns. No entanto, como a candidíase é um advento típico da gravidez, pode ser recorrente, desaparecendo completamente somente após o parto.

 

Posso Fazer Um Tratamento Caseiro Para Candidíase Na Gravidez?

Muitas leitoras nos escreveram perguntando se é possível fazer uma dieta para a candidíase na gravidez. A resposta curta e rápida é não, o tratamento completo para curar a candidíase pela alimentação não pode ser seguido por uma gestante.

Mas isso não significa que alguns métodos naturais não possam ser utilizados ou que a alimentação direcionada por uma nutricionista não possa ser adaptado para uma grávida.

É totalmente possível tratar a candidíase na gravidez de forma natural caso sejam observados alguns cuidados. E nós já apontamos entre os remédios caseiros aqueles que oferecem riscos na gestação.

Talvez o maior risco da alimentação direcionada esteja em consumir antifúngicos naturais não recomendados às grávidas ou no corte de certos alimentos que são insumos importantes para a formação do bebê.

Um exemplo claro disso é o corte de açúcar feito na dieta para candidíase, mas que não deve ser negligenciado na gravidez. Ou então o consumo de alimentos contendo mercúrio, mas que afetam a formação do sistema nervoso do feto.

É recomendado que a dieta seja feita antes da gravidez ou após o nascimento e amamentação do bebê. Mas mesmo podendo não eliminar a candidíase nesse período, o programa alimentar pode minimizar os riscos da infecção na gestação.

Para isso, com algumas mudanças no tratamento natural, é possível para qualquer nutricionista transformar o programa em um plano de ação seguro tanto para você quanto ao seu bebê.

Esse artigo vai ajudar você a fazer algumas alterações benéficas na alimentação. Elas podem tornar a candidíase na gravidez um problema muito menor durante qualquer período da gestação.

 

O Que Evitar ou Comer Na Gravidez?

gravida fazendo tratamento naturalDurante a gravidez, certos alimentos não devem sofrer restrições, mas é excepcional mudar alguns hábitos alimentares diminuindo a ingestão de alguns alimentos enquanto se privilegia outros. Acompanhe na lista a seguir:

  • Consuma os doces corretos – Consuma os doces preferencialmente em pequenas porções de frutas como maças verdes e peras. Prefira utilizar a Stevia do lugar do açúcar refinado.
  • Coma carboidratos de valor nutritivo – carboidratos são importantes para o crescimento do bebe, mas não faça isso consumindo frituras. Coma carboidratos complexos como feijões, aboboras e babatas doces que são mais controláveis para o açúcar no sangue.
  • Fuja de alimentos processados – comidas processadas, aromatizadas e com adição de frutose, sacarose devem ser evitadas. Evite condimentos como ketchup e comidas com sabores artificiais.
  • Consuma proteínas magras – alimente-se de cortes frescos de carnes e evite peixes enlatados como sardinha e atum. A proteína é muito importante contra a candidíase e para o bebê, mas evite carnes processadas e defumadas como salames e salsichas.
  • Corte alimentos fermentados – corte cogumelos e alimentos fermentados como pães e massas de farinha branca. Prefira consumir massas e pães integrais nesse período de gestação.
  • Água nova sempre fluindo – não deixe de beber bastante água, ela melhora a qualidade do sangue e enrijece as células do corpo e dá maior eficiência ao sistema imunológico. Claro, sem contar os efeitos benéficos para a gestação.

O plano alimentar original para tratar a candidíase contem uma lista completa do que é mais combativo contra os fungos e certamente é recomendável. Mas lembre-se de adaptar ele junto com uma nutricionista durante a gravidez.

 

O Que Fazer Para Aliviar A Candidíase Na Gravidez?

Já foram apontadas aqui quais pomadas utilizar para a candidíase na gravidez, e certamente elas são os produtos de primeira linha recomendados pelos médicos no tratamento.

Mas existe alternativa natural que não fica atrás, como a pomada caseira para candidíase genital, que tem efeitos semelhantes. Para certos casos, tem efeitos até superiores em muitos aspectos, evitando inúmeros efeitos adversos.

O resultado mais importante desse tipo de medicamento está no alivio dos sintomas mais incômodos. E a coceira, sensibilidade na pele, desconforto com o calor e umidade são muito frequentes e indesejados.

Para efeitos semelhantes às pomadas e cremes genitais, existem algumas outras alternativas naturais igualmente eficazes. Elas são feitas a partir de ingredientes encontrados na natureza como:

  • O tampão com Iogurte Vivo
  • Óleo de coco
  • Vinagre de maça
  • Banho de assento com orégano
  • Entre outros

Essas receitas são muito úteis, principalmente para as mulheres. Elas podem trazer o alivio imediato da candidíase vaginal e tem muitas vezes a praticidade de estarem no armário da sua casa nesse exato momento.

E claro, podem ser utilizadas sem prescrição médica ou qualquer efeito colateral para as grávidas.

 

Conclusão

O grande risco da candidíase na gravidez começa pelo diagnóstico, que pode ser facilmente confundido com outras vaginoses bacterianas. Isso exige, em primeiro lugar, de apoio profissional e dos procedimentos corretos.

Como a gestação envolve riscos maiores, a busca por um profissional da saúde deve ser o seu ponto de partida para qualquer plano de ação. Pois a automedicação é definitivamente muito perigosa para a gestante e o bebê.

Os pontos mostrados nesse artigo esclarecem algumas dúvidas constantes dos leitores, mas caso você tenha caído aqui de paraquedas, saiba que o tratamento natural também é uma alternativa válida e pode ser segura.

Geralmente a gestante já está ciente dos cuidados que deve ter em sua alimentação para o desenvolvimento do bebê. Dessa forma, as futuras mães conseguem se dedicar a alimentação direcionada para candidíase com certa facilidade nesse período.

Caso essa alternativa seja a escolha preferida, uma consulta com uma nutricionista ou nutróloga deve ser considerada, uma vez que não existem planos alimentares já prescritos e dedicados a cuidar da candidíase na gravidez.

De qualquer forma, oferecemos outras medidas importantes para aliviar os sintomas mais incômodos e evitar problemas maiores durante a gravidez. Por isso alguns links distribuídos por este artigo podem ser úteis.

Caso tenha gostado dessas informações, compartilhe e comente. Outras pessoas podem estar sofrendo de problemas semelhantes e precisam de ajuda também.