Muitas mulheres com candidíase vaginal a enfrentam pela primeira vez sem conhecer o problema adequadamente. E por isso sentem-se inseguras sobre como se comportar diante da infecção.

A saúde vaginal feminina envolve preocupações que vão além de ter uma vida sexual segura com um eventual parceiro. Afinal, estamos falando da porta de entrada para o nosso sistema reprodutivo.

E nesse artigo vamos alertar, desmistificar e também tranquilizar você sobre alguns fatos envolvendo a candidíase na vagina. Um dos casos de vaginite mais comuns entra as mulheres e que deve ser conhecida por todas elas.

Pois explicar o que é candidíase vaginal envolve apenas esclarecer algumas curiosidades sobre a própria natureza biológica feminina.

Boa leitura!

 

O Que é A Candidíase Vaginal?

A candidíase vaginal, também conhecida como vulvite ou vulvovaginite por Candida, é um caso de infecção da mucosa genital feminina muito comum e causada pelas leveduras dos fungos da família Candida.

Esses fungos encontram-se nativamente na flora vaginal feminina e tem grande papel na sua saúde. Mas quando expostas em ambiente desequilibrado quimicamente, passam por mutação, tornando-se agressivas e infecciosas.

A candidíase na vagina é também conhecida pelo nome de flores brancas. Um nome um pouco menos usado, mas também popular em algumas regiões do Brasil.

Muito famosa, essa infecção é uma das principais causadoras das vaginites e merece certos cuidados da mulher. Principalmente no entorno da candidíase na gravidez, que pode significar riscos maiores para o bebê.

Ela também afeta os homens com sintomas genitais semelhantes, mas suas causas nem sempre são iguais. Por esse motivo, é interessante ressaltar fatos que são mais específicos, e em nosso caso, no corpo das mulheres.

As células de leveduras como da Candida podem se aproveitar de qualquer distúrbio do ecossistema vaginal. E apesar de ser facilmente curável por tratamentos caseiros, a candidíase feminina pode se apresentar muitas vezes resistente e com isso recorrente.

 

É Muito Difícil Tratar A Candidíase Na Vagina?

A infecção vaginal da candidíase sempre foi conhecida por ser sorrateira e aproveitadora segundo especialistas. A vaginite por candida cresce se valendo de inúmeras alterações que as vezes são naturais ao longo da vida da mulher.

Essas alterações vão desde:

  • hormonais.
  • da baixa imunidade.
  • da gravidez.
  • doenças mal curadas.
  • mudanças de hábitos alimentares.
  • entre outras causas.

Talvez esses fatos possam fazer você crer que ela seja inevitável em algum momento da vida. E realmente é muito comum quando se veem as estatísticas, que também serão mostradas aqui nesse artigo.

Mas na maioria dos casos as mulheres se curam da infecção naturalmente sem nem ao menos saberem o que é candidíase vaginal ou sem perceberem os sintomas da candidíase na vagina lhes afetando.

A candidíase vaginal tem cura e na maioria das vezes as pomadas farmacêuticas são eficazes. Mas por questões genéticas, muitas pessoas podem ser mais suscetíveis a fungos do que outras ou até imunes a eles, o que altera a eficiência de alguns medicamentos.

Por esse motivo, a infecção pode se tornar um pesadelo para o organismo de uns ou algo realmente irrelevante para outros. Mas em todos os casos é um problema tratável e completamente curável.

É interessante vermos alguns fatos que desvendam um pouco mais da natureza feminina com a infecção de candidíase genital. Talvez elas possam tranquilizar você ou apenas esclarecer mais sobre o problema.

 

15 Fatos Importantes Sobre A Candidíase Vaginal

Aqui vai uma pequena lista, mas que pode esclarecer alguns mistérios e curiosidades sobre a candidíase feminina, vamos a ela:

  1. A mulher é muito mais suscetiva a ter candidíase na vagina por motivos únicos da biologia feminina, como por exemplo: descontrole hormonal, gravidez, amamentação e até por cargas emocionais.
  2. Estatisticamente 3 entre 4 mulheres passarão por problemas de candidíase na genital algum momento da vida. Ela ocorre em 75% de todas as mulheres e muitas vezes os sintomas da infecção desaparecem sem qualquer necessidade de tratamento.
  3. Tomar anticoncepcionais e pilulas do dia seguinte aumentam consideravelmente as chances de se manifestar uma candidíase feminina. Pois elas manipulam os hormônios e deixam o organismo mais suscetivo a infecções.
  4. Entre 80-92% dos casos de vulvovaginite são causados pela Candida Albicans e casos menos recorrentes são causados pela Candida Glabrata, Candida Tropicalis, Candida Krusei e Candida Parapsilosis. Essas por vezes são as mesmas causadoras da candidíase cutânea.
  5. Um dos pontos chaves da procriação da candidíase vaginal está ligado ao PH(acidez) do líquido vaginal. Um PH acima de 4,5 é propício para a candida se multiplicar, algo comum em pessoas com stress ou má alimentação.
  6. A vulvovaginite tem ocorrência normal em mulheres entre 20 e 40 anos. Mulheres que estão fora dessa faixa etária saem da primeira estatística apesar de, ainda assim, ser muito comum a candidíase em crianças e pessoas com mais idade.
  7. Alergias comuns a camisinha, óleos perfumados e cremes vaginais podem desencadear uma proliferação da candidíase. Assim a vagina pode produzir secreções de autoproteção, mas que geram um ambiente seguro para as leveduras crescerem.
  8. Em testes clínicos o uso de iogurte vivo é uma das melhores forma de tratamento caseiro para candidíase já testados. Mulheres podem usar o iogurte natural como creme ou em um tampão vaginal como o próprio absorvente feminino.
  9. Entre as inúmeras bactérias da flora vaginal feminina, a mais comum é o lactobacillus acidophilus que ajuda a manter fungos como a candida albicans sob controle. Mas isso só acontece com a sua saúde em dia.
  10. A candidíase vaginal é realmente muito comum, mas caso você tenha mais de 4 infecções em um mesmo ano, está com uma candidíase recorrente. Ela pode ser causada por uma contaminação sistêmica e não somente vaginal.
  11. Muitas mulheres com sintomas da candidíase na vagina não procuram médicos para fazer exames de rotina. Elas mal sabem que estão com diabetes, hepatite ou outras doenças que naturalmente promovem a candidíase no organismo.
  12. Muito se diz sobre a contração de candidíase genital em ambientes com falta de higiene como os banheiros públicos por exemplo. Na verdade é muito pouco provável ou remoto demais uma contaminação de candidíase em um local desses.
  13. A candidíase é uma infecção normal em regiões do corpo de meio mucoso e ácido como a vagina, mas pode passar para outras regiões como a virilha, nádegas e dobras da pele em pessoas com obesidade. É comum pessoas com vulvovaginite terem candidíase cutânea e no anus também.
  14. Assim como no caso dos homens, a candidíase na mulher não é considerada uma DST, apesar de o fungo poder ser transmitido pelo contato sexual.
  15. As mulheres são as maiores transmissoras de candidíase genital, mas nada impede de um homem também transmitir para a mulher a infecção. Principalmente se ela estiver com baixa imunidade.

infográfico com dados sobre a candidíase feminina

Copie esse infográfico no seu site utilizando o códio abaixo:

 

O Diagnóstico da Candidíase Feminina Requer Conhecimentos Médicos

Os fatos trazidos aqui talvez ajudem você a entender alguns conceitos ou até desvendar os comportamentos do fungo, já que muitas vezes a explicação vinda de um médico nem sempre é esclarecedora.

Sabemos que não podemos exigir uma aula sobre candidíase vinda dos profissionais da saúde. E mesmo que eles se esforcem para isso, algum termo técnico assustador poderia surgir e fazer parecer que enfrentamos uma doença pior do que a candidíase realmente é.

Mas apesar dos eventuais problema de comunicação que possam existir em um consultório médico, é importante saber que o diagnóstico correto é algo imprescindível e confiar nesses profissionais para isso é essencial!

As vaginites bacterianas podem ser muito semelhantes com aquelas causadas por fungos como da candidíase. E um diagnóstico errado resulta em um tratamento errado – um ponto que pode transformar a candidíase em um verdadeiro pesadelo.

E por estatísticas, como as apresentadas aqui no infográfico postado, é comum que mulheres recorram a antibióticos pensando estarem enfrentando vaginoses bacterianas.

O perigo da candidíase vaginal se sobressair é enorme nessa situação, já que bactérias concorrentes ao fungo são eliminados da vagina feminina. E o resultado disso só promove uma infecção muito mais agressiva.

Por causa disso e de outros agravantes, o diagnóstico correto da candidíase é um assunto médico que precisa ser seguido cuidadosamente.

 

Conclusão

O nosso site recebe visitas a anos de pessoas enfrentando a candidíase. Os relatos recebidos por nós sobre curas e alternativas naturais também fazem parte das nossas recomendações.

Uma vez que você tenha diagnosticado corretamente o tipo de vaginite que está enfrentando, recomendamos algumas dicas que estão em nosso portal.

Nós já compartilhamos algumas receitas caseiras para candidíase vaginal que podem aliviar imediatamente os sintomas, e caso seguidas a risca, podem sanar definitivamente o problema.

Mas saiba que a candidíase pode exigir um pouco mais de dedicação em alguns casos. Principalmente quando se apresentam os quadros de uma candidíase recorrente se arrastando a anos.

Após ler esses 15 fatos sobre a candidíase vaginal trazidos aqui, você já tem uma boa base para compreender melhor essa infecção.

E certamente o mais importante nessa leitura não foi fazer você compreender melhor o que é candidíase vaginal e sim a importância de um diagnostico adequado feito por um profissional da saúde.

Esse deve ser o estopim para qualquer mudança, medicamento ou atitude tomada por você em tratamento. A automedicação da candidíase não é aconselhada, e espero que esse artigo tenha esclarecido alguns porquês.

Caso tenha gostado, comente e compartilhe, outras milhares de mulheres podem precisar desses esclarecimentos também.