Candidíase Vaginal – 15 Fatos que Toda a Mulher Deve Saber

Início » Blog » Candidíase na Mulher » Candidíase Vaginal – 15 Fatos que Toda a Mulher Deve Saber

Candidíase Vaginal – 15 Fatos que Toda a Mulher Deve Saber

A candidíase vaginal, também conhecida como vulvite ou vulvovaginite é um caso muito mais comum do que as ocorrências em homens com a candidíase peniana, mas não menos complicado. 

 

Os sintomas são bastante semelhantes, mas as causas nem sempre, por isso devemos compreender o problema específico às mulheres.

 

Uma vagina saudável tem normalmente bactérias e fungos que fazem parte da flora natural feminina, mas células de leveduras como da candida albicans podem se aproveitar de um distúrbio nesse ecossistema causando a candidíase na vagina.

 

Essa infecção sempre foi conhecida por ser sorrateira e aproveitadora pelos especialistas. Realmente a candida é um fungo que cresce se valendo de inúmeras alterações que as vezes são naturais ao longo da vida do individuo.

 

Essas alterações vão desde hormonais, de uma baixa imunidade sofrida por alguém que acabou de sair de uma gripe ou até por mudanças de hábitos alimentares da pessoa, porém, no caso da vulvovaginite os cenários de infecção são mais amplos e específicos do que esses.

 

Então vamos aos fatos e desvendaremos um pouco mais da natureza feminina com a infecção de candidíase genital. Aqui vai uma pequena lista, mas que pode esclarecer alguns mistérios e curiosidades, vamos a ela!

 

 

Os 15 fatos sobre candidíase vaginal que toda mulher deve conhecer:

 

 

  1. A mulher é muito mais suscetiva a ter candidíase na vagina por motivos únicos da biologia feminina como por exemplo: descontrole hormonal, gravidez, amamentação e até por carga emocional.
  2. Estatisticamente 3 entre 4 mulheres passarão por problemas de candidíase na genital feminina algum momento da vida, ou seja, isso ocorre em 75% de todas as mulheres e muitas vezes os sintomas da infecção desaparecem sem necessidade de qualquer tratamento.
  3. Tomar anticoncepcionais e pilulas do dia seguinte aumentam consideravelmente as chances de se manifestar uma candidíase nas mulheres, elas manipulam os hormônios e deixam o organismo mais suscetivo a infecção.
  4. Entre 80-92% dos casos de vulvovaginite são causados pela Candida Albicans, outros casos menos recorrentes são causados pela Candida Glabrata, Candida Tropicalis, Candida Krusei e Candida Parapsilosis. Que por vezes são as mesmas causadoras da candidíase cutânea.
  5. Um dos pontos chaves da procriação da candidíase na vagina está ligado ao PH(acidez) do líquido vaginal da mulher. O PH acima de 4,5 é propício para a candida se multiplicar, algo comum em pessoas com stress ou mal alimentadas.
  6. A vulvovaginite tem ocorrência normal em mulheres entre 20 e 40 anos. Mulheres que estão fora dessa faixa etária saem da primeira estatística apesar de, ainda assim, ser natural a candidíase em crianças e pessoas com mais idade.
  7. Alergias comuns a camisinha, óleos perfumados e cremes vaginais podem desencadear uma proliferação da candidíase pois a vagina pode produzir secreções como autoproteção mas que geram um ambiente seguro para as leveduras crescerem.
  8. Em testes clínicos o uso de iogurte vivo é uma das melhores formas de tratamento caseiro para candidíase já testados. Mulheres podem usar o iogurte natural como creme ou em um tampão vaginal como o próprio absorvente feminino. A receita já foi publicada por nós aqui, confira!
  9. Entre as inúmeras bactérias da flora vaginal feminina a mais comum é o lactobacillus acidophilus que ajuda a manter fungos como a candida albicans sob controle, isso em um individuo com a saúde em dia.
  10. A candidíase vaginal é realmente muito comum, mas caso você tenha mais de 4 infecções em um mesmo ano, está com uma candidíase recorrente, o que pode ser causada por uma contaminação sistêmica e não somente na vagina.
  11. Muitas mulheres com sintomas da candidíase vaginal não procuram médicos para fazer exames de rotina e mal sabem que estão com diabetes, hepatite ou outras doenças que naturalmente promovem a candidíase no organismo.
  12. Muito se diz sobre a contração de candidíase genital em ambientes com falta de higiene como os banheiros públicos por exemplo, mas na verdade é muito pouco provável ou remoto demais uma contaminação de candidíase em um local desses.
  13. A candidíase é uma infecção normal em regiões do corpo de meio mucoso e ácido como a vagina, mas pode passar para outras regiões do seu entorno como a virilha, nádegas e até para dobras da pele em pessoas com obesidade. Então é natural pessoas com vulvovaginite terem candidíase cutânea também.
  14. Assim como no caso dos homens, a candidíase na mulher não é considerada uma DST apesar de o fungo poder ser disseminado pelo contato sexual.
  15. As mulheres são as maiores transmissoras de candidíase genital, mas nada impede de um homem também transmitir para a mulher a infecção, principalmente se ela estiver com baixa imunidade.

Copie esse infográfico no seu site utilizando o códio abaixo:

Esses fatos talvez ajudem muito a esclarecer alguns conceitos errados ou até para desvendar duvidas comuns já que a compreensão que temos após uma visita ao médico nem sempre nos dá esses conhecimentos básicos.

 

Não devemos descartando os profissionais da saúde, o dever deles na verdade é nos dar um diagnóstico médico e uma boa conversa para sabermos com qual fungo estamos lidando, ou se é um caso de fungo realmente. Na realidade é a forma mais confiável de desvendarmos se a infecção por candidíase está ocorrendo. 

 

De qualquer forma, caso você seja mulher e esteja sofrendo com os seguintes sintomas da candidíase na vagina:

  • irritação
  • secreção vaginal irregular.
  • inchaço no entorno e dentro das paredes da vagina.
  • queimação durante ato sexual e ao urinar.
  • erupção cutânea, vermelhidão e irritação.
  • mau odor e acumulo anormal de esmegma vagina esbranquiçado.

 

Existe todo um quadro comum de candidíase e você precisa sim de uma consulta médica para constatar isso em exames.

 

Conheça um pouco mais sobre o problema da Candidíase Feminina no video:

 

Posso garanti que após ler esses 15 fatos que compartilhei sobre candidíase vaginal você já tenha uma boa base para constatar essa infecção. O principal conselho que posso dar após isso é que não se assuste e continue buscando conhecimento, tranquilize a mente e parta para alguma ação.

 

Nós já compartilhamos algumas receitas caseiras para candidíase vaginal que podem aliviar imediatamente esses sintomas e caso seguidas a risca podem até sanar definitivamente o problema.

 

Saiba que a candidíase, mesmo a recorrente pode ser resolvida com tratamentos naturais também e vou indicar alguns aqui a baixo para isso.

 


Recomendação para candidíase vaginal:

 

O diagnostico da candidíase é fácil, mas eventualmente o problema não se resolve em um tratamento convencional, principalmente se for uma candidíase recorrente.

 

Sei disso pois já passei por essa situação, eu vivia em filas de consultórios médicos com seus cremes e comprimidos antifúngicos. Já fiz isso em 4 tratamentos diferentes, é muito problema para um fungo só!

 

Caso você esteja realmente com uma candidíase e com problema semelhante ao que passei, eu posso te dar uma recomendação.

 

Um tratamento natural através de uma alimentação direcionada para o combate da candidíase. Esse tratamento é realmente profissional e foi criado por uma infectologista e nutricionista que disponibilizou tudo em um livro digital.

É o tipo de material difícil de encontrar na internet, realmente um produto de conteúdo raro escrito em nossa língua.

Clique no link e visite o site oficial para entender melhor.

 

 

Outra alternativa de peso é o Programa Viver Sem Candidíase, um programa de alimentação direcionada que funciona de verdade. O método propõe um passo a passo através da alimentação natural que desintoxica e destrói a candida albicans restituindo a flora natural até a cura do paciente.

 

 

Clique aqui para saber mais no site oficial e receber todos os bônus.

2018-07-27T15:03:06+00:00

Leave A Comment

Share via